terça-feira, 1 de abril de 2008

Entrevista com Adam Ondra

O jovem tcheco Adam Ondra recapitula seu início de ano rico em realizações de vias extremas. Na Eslovênia e na Suíça recentemente, na Espanha em Fevereiro durante uma longa viagem, na França de passagem, nenhum projeto parace resistir a Ondra. Sua impressionante liste de cruzes nos faz pensar nos limites físicos da escalada esportiva. A ocasião perfeita para o parceiro do site francês Kairn - Czechclimbing fazer algumas perguntas a ele.




- Depois do início do ano você realizou várias vias duras clássicas de alta dificuldade em escalada. Você esta surpreso por escalar tão bem neste momento?

Adam: Não, surpreso não seria a palavra exata, mais eu não esperava por uma colheita tão frutífera.- Você encadenou « La rambla extension » na 5ª tentativa. Escalando esta via você atingiu o grau mais elevado em escalada esportiva.
Analisando a velocidade com a qual você repete as vias, nos podemos supor que você não está no seu máximo, e que você fará parte da geração 9b, 9b+ (12b, 12c – Bra). Você está de acordo ?
Adam: Todas as vias mais duras que eu escalei são vias de conti. Eu quero então começar a experimentar itinerários do mesmo nível, mas com movimentos mais blocados. Só para ainda melhorar outras técnicas, se isto é possível. Mas eu penso definitivamente que as vias mais duras atualmente estão bem abaixo do potencial máximo dos melhores escaladores.


Adam em "La Rambla", 9a+ (12a – Bra), Siurana, Espanha



Como Ramon Julian e contrariamente aos precedentes repetidores, você não usou a agarra dita proibida que gera tanta polêmica na “La Rambla”. Você pensa que esta agarra durante a ascensão faz evoluir tanto assim a graduação? Não é anormal de se interditar agarras dessa forma em uma via?
Adam: Mesmo que utilizar essa agarra torne a via inegavelmente mais fácil, eu admito que não faz sentido algum interdita-la visto o comprimento do itinerário. O mais absurdo, é que a agarra é usada em seguida como um pé. Pessoalmente, eu não a peguei pela somente e única razão de que ninguém possa dizer que eu trapaceei. E natural de pensar em seguida se a via, pegando ou não a agarra, continua sendo um 9a+ ou 9a...

- Setembro passado você mandou a primeira de “Perla vychodu” 8c+ (11b – Bra) na região de Karst (Moravie, République tchèque) você disse que foi a via mais dura que você jamais havia escalado. É verdade ? Porque não rever o nível da via para mais neste caso ou são as vias espanholas que são supergraduadas ?
Adam: Eu penso que « La Rambla » é provavelmente mais difícil. Mas eu não posso evitar de expressar meu sentimento : as vias na Espanha são supergraduadas. Em comparação com a Fraça, tudo é pelo menos metade de grau mais fácil. E observe que não estou me baseando em Buoux ! De qualquer maneira é terrivelmente difícil comparar itinerários de resistência com outros boulderísticos, então não podemos comparar muito bem a região de Karst de Moravie e a Espanha. Eu penso o seguinte de forma geral : na Espanha, você precisa de uma boa dose de condicionamento físico e saber gerir grandes agarras (uma grande qualidade técnica não é forçosamente exigida). No Frankenjura (Alemanha), você precisa de força explosiva (muito mais que na Espanha), e também se esforçar sem parar para encontrar um meio de sair do problema. Em Karst você precisa de força, você aprende escalada técnica, e além de tudo deve-se ser capaz de evoluir sobre pés escorregadios. Concluindo, para uma via de nível geral, na Espanha você gasta 02 tentativas, 10 tentativas no Frankenjura, em Karst você tenta umas 20...

Adam em "Novena enmienda", 9a+ (12a – Bra), Santa Linya

- Das vias duras que você encadenou na sua viagem a Espanha, existe algo que não foi planejado ?

Adam: Sim, por exemplo “La rambla”, em casa eu não havia previsto de tenta-la muito. Meu objetivo estava claro : « La novena enmienda », o 9a+ de Santa Linya e fazer 8c a vista. “La Rambla”, por exemplo, foi um bonus.

- Ultima pergunta : para você, qual é o motivo da sua progressão ? Um treinamento invernal mais rigoroso ? Mais metros de escalada acumulados ? Um ganho de experiencia ?

Adam : Difícil de dizer. Eu tentei evoluir ganhando a cada ano um nível de graduação, exceto no ano passado. Por isso, atualmente eu tento progredir com a mesma atitude dos anos precedentes, mas com um grande atraso por causa do ano passado ! (risos)




Fonte: http://www.revistag3.blogspot.com/

Por Simona lezec.cz

Tradução : P. Délas / Kairn.com / G. Ramos / g3online.com

Fotos: Czechclimbing.com

Nenhum comentário: