quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Conquista da Pedra do Tubarão em Pancas


Uma vantagem de ser escalador e biker é que essa galera, em cima de suas magrelas, se enfiam em lugares, trilhas e crocas, onde outros mortais (como eu) geralmente não passará (ou dificilmente passará) dentro de seus carros ou, na canela. E estando por estes lugares 'fora dos normais', acabam descobrindo pedras/paredes/montanhas que podem vir mostrar possibilidades de escaladas. E ai o cara sendo também escalador, a combinação fica perfeita!

Um parceiro que tenho de conquistas/roubadas é o André 'Tesourinho', que tem sebo nas canelas pra pedalar e disposição para buscar paredes virgens. Volta e meia o cara me manda alguma foto de uma nova possibilidade de conquista que avistou de um "pedal". Mas geralmente fotos batidas de longe, na correria, sem muito detalhe... e por isso que temos que ir lá conferir de perto pra ver se o que parece ser realmente é. Mas na maioria das vezes não é!

Com o tal biker/escalador citado, em Pancas... mais pra baixo essa foto vai ter sentido. Por enquanto está aqui só pra dar um quebra no texto.


A ultima foto que o Tesourinho me mandou chamou a atenção. Era de uma pedra que ficava em algum - escondido - lugar de Santa Teresa. Ele havia batido uma foto de looooonge, bem de longe! Depois de muito me mandar essa foto repetidas vezes me enchendo já a paciência, combinamos de traçar uma rota de carro, e não de bike, para tentar chegar nela e conferir a potencialidade. E depois de muita estrada de terra com trechos ruins chegamos no objetivo. Um objetivo esse que não atendeu as expectativas. Rolou um semi desânimo em conquistar a linha observada, pois não era muito, digamos, empolgante. E junto com o fato de não localizarmos o proprietário das terras pra pedir autorização, fez resultar na decisão de abandoná-la. Quem sabe em um futuro, bem futuro, a gente volte naquela escondida pedra de Santa Teresa... as formas de ver e vivenciar a escalada está sempre em mutação.

O sábado e domingo estavam reservados para conquistar, mas com o primeiro objetivo frustrado resolvemos dar umas voltas em busca de outras opções. Depois de muito rodar estávamos em Colatina, sem nada na manga para conquistar, e eu de saco cheio com essa história de procurar e não achar nada que realmente chamasse a atenção. Como Pancas não era longe de Colatina lancei a ideia de repetir alguma via e fechar o final de semana pelo menos repetindo alguma escalada por lá.

 As primeiras montanhas de Pancas à recepcionar. Foto Oswaldo Baldin.


No domingo com a mochila arrumada e super leve com equipos só pra repetição, parei o carro de frente para a Pedra da Cara e refleti juntamente com o parça. Uma pedra ao lado dela, com um cume careca e que possivelmente seria virgem, fez a atenção do dia ser desviada para um outro objetivo. Naquele momento o tesão da conquista bateu forte e o plano da repetição foi trocado por traçar uma nova linha por uma rocha virgem.

 Pedra do Tubarão (com o amarelado) menor e à frente, e a da Cara atrás. Foto Oswaldo Baldin.


Momento de reorganizar a mochila e colocar muito mais peso dentro delas. Sol já alto, e o calor de Pancas já mostrando o que nos reservaria de presente. Depois de pedir autorização à Dona Elza, adentramos em suas terras para a caminhada de acesso. Subimos por um costão à esquerda da Pedra do Tubarão (assim chamada por alguns), depois passando por uma canaleta de vegetação para acessar outro costão a direita. Na sequência foi necessário colocar o facão em ação para abrir uma picada até a base da 'corcova' do Tubarão.

O início da via é algo bem óbvio, com uma pequena árvore numa greta na pedra marcando o início.  

Iniciando os trabalhos. Foto André Luis dos Santos.


Pela linha visualmente mostrar que seria uma escalada fácil, decidimos em fazer uma via bem protegida para possivelmente essa passar a ser uma via mais frequentada em Pancas.

Mesmo com o sol mostrando toda sua força progredimos rápido. Conquistei as três primeiras enfiadas, todas na média de III. Depois o Tesourinho conquistou a ultima, um II que depois já segue caminhando. Com mais um simples costão de uns 120 metros chegamos no cume. Um cume careca, sem vegetação, algo que foge dos padrões das montanhas da região.

Tesourinho jumareando ou, posando, com o Camelo ao fundo.
Foto Oswaldo Baldin.



Baldin partindo para a segunda enfiada. Foto André Luis dos Santos.


A via foi batizada de "Dupla Face", ficou com 225 metros e graduação em 3º III+ E2 D1. Ganhou esse nome por dois motivos: o primeiro por falta de uma maior criatividade, e segundo porque está em uma montanha ao lado de onde tem a via "Face Oculta". E na moral da história, o segundo motivo complemente o primeiro!

Para repetir é preciso 7 costuras e duas cordas de 60 metros (pra possibilitar o rapel). Ah, é um facão pode ser de serventia para facilitar o ultimo trecho pra chegar na base.

 Tem que ter uma foto de cume né! Foto Oswaldo Baldin.


A pedra fica em uma montanha menor (com uma mancha amarelada), ao lado de uma maior, que é a Pedra da Cara onde tem a Face Oculta. Para quem chega a Pancas pelo asfalto ao ir se aproximando para passar por debaixo embaixo da Pedra do Camelo, essas duas pedras estão em frente a ela, à esquerda do asfalto. É só parar o carro na casa da Dona Elza - numa entrada a direita, bem debaixo do Camelo - e informar as suas intenções.

O acesso pra via se dá entrando numa plantação de café às margens do asfalto, e logo em seguida já subindo um costão, à esquerda do Tubarão. Ao passar por uma segunda área de terreiro de secagem de café no próprio costão (tem uma pequena barragem de cimento na pedra), atravesse uma canaleta com uma matinha para direita, ganhe outro costão, e depois siga em direção a aresta da pedra. Essa aproximação leva em média uns 40 minutos.

A via segue a aresta da direita. Foto Oswaldo Baldin.


Escalada fácil, bem protegida, e com um cume maneiríssimo. Ficou uma via pra fazer na curtição, e sendo até uma boa pedida para quem for em Pancas a primeira vez, para conhecer o tipo de rocha que lhe aguarda pelas outras vias da região... que são mais exigentes.


Olha o que te espera no cume! Foto André Luiz dos Santos.

.

Nenhum comentário: